Saúde

Abas primárias

Sedentarismo também causa constipação

Médicos e pacientes caracterizam a constipação de maneira diferente. Os médicos, tradicionalmente, definem a constipação como menos de três evacuações por semana. Em contraponto a isso, os pacientes usam termos como desconforto abdominal, distensão abdominal, esforço durante movimentos intestinais ou sensação de evacuação incompleta. 

Os chamados critérios de Roma uniram os dois pontos de vista e definiram a constipação como esforço para evacuar, fezes endurecidas, sensação de evacuação incompleta e ou menos de três evacuações por semana. Tendo dois ou mais sintomas já há diagnóstico de constipação. Para definir diarreia crônica, é preciso ter tido os sintomas por três meses nos últimos 12 meses. 

Os fatores de risco para seu aparecimento incluem sexo feminino, sedentarismo, baixo nível educacional e social, uso de medicamentos e depressão. A avaliação de um paciente constipado depende do nível de preocupação e se os sintomas iniciaram de forma abrupta, além de sua evolução. 

Algumas ações são importantes: modificação de estilo de vida e, principalmente, de alimentação, com prática de atividade física, aumento da ingestão hídrica e de fibras. Uso de laxativos e supositórios também pode ajudar. Em alguns casos, é necessário usar enema, mas somente com prescrição médica. Importante avisar seu médico caso haja alternância de diarreia com constipação, pois isso pode demandar uma investigação mais profunda.
 

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.